Derivação biliopancreática com duodenal switch​

Derivação biliopancreática com duodenal switch​

O que é a derivação biliopancreática com duodenal switch?​

A cirurgia de derivação biliopancreática com duodenal switch, também conhecida como BPD/DS, é semelhante ao bypass gástrico, porque envolve a criação de um pequeno tubo estomacal e o desvio do intestino. No entanto, a forma como o intestino é desviado é levemente diferente. Como em outras cirurgias metabólicas, essa cirurgia muda a quantidade de comida que seu corpo consegue digerir e modifica os sinais que se deslocam entre seu sistema digestivo e o cérebro.​

Como a BPD/DS funciona?​

  1. Os médicos criam uma pequena tubo estomacal em forma de tubo e o restante do estômago é excluído do trânsito alimentar.​
  2. O intestino delgado é dividido em duas partes.​
  3. O final do intestino delgado é conectado ao pequeno tubo, para que o alimento passe diretamente do tubo  para o último segmento do intestino delgado (desviando ¾ do intestino delgado)​
  4. A parte desviada do intestino delgado, que carrega enzimas digestivas importantes, é reconectada à última parte do intestino delgado​
  5. As enzimas se misturam com o alimento do tubo  para ajudar a concluir a digestão​
  6. Os pacientes ingerem menos alimento, a digestão é mais eficaz e os sinais hormonais são modificados​
  7. Os resultados típicos incluem perda de peso e melhora da síndrome metabólica e da saúde e bem-estar em geral​

Quais são os benefícios da BPD/DS para a saúde? ​

Estudos clínicos mostram que os pacientes apresentam diversos benefícios após a cirurgia​

  • 94% dos pacientes perdem até 70% de excesso de peso corporal depois de 1 ano1​
  • 62% dos pacientes perdem 75% de excesso de peso corporal depois de 3 anos1​
  • 31% dos pacientes perdem 81% de excesso de peso corporal depois de 5 anos1​
  • Pode ser o tipo de cirurgia mais eficaz para o tratamento de diabetes tipo 22​
  • Aumento da atividade física, produtividade, bem-estar, oportunidades econômicas, autoconfiança3 ​
  • Procedimento minimamente invasivo, que leva a permanências hospitalares e tempo de recuperação mais curtos​

Quais são algumas das vantagens e desvantagens da BPD/DS?​

Vantagens:​

  • Pode levar à perda de peso significativa (94% dos pacientes perdem até 70% de excesso de peso corporal depois de 1 ano)1 ​
  • Pode levar a uma melhora significativa na diabetes tipo 22​
  • Não utiliza um objeto estranho (como a banda gástrica)​
  • Limita a quantidade de alimento que pode ser ingerida, aumenta a eficácia da digestão​
  • Causa alterações significativas em órgãos e hormônios digestivos, o que resulta em redução da fome e aumento do metabolismo ​
  • Permanente (não precisará de mais cirurgias ou reajustes, como a banda gástrica) ​

Desvantagens:​

Requer dedicação por toda a vida a rotinas específicas de dieta e exercícios ​

Permanente (não pode ser revertido)​

Pode levar a deficiências de vitaminas​

Possíveis complicações podem incluir:​

  • Vazamento gástrico​
  • Separação do tecido​
  • Úlceras ​
  • Dispepsia (dor de estômago)​
  • Síndrome de dumping​

Segurança​

A cirurgia metabólica e bariátrica é tão ou mais segura do que outros procedimentos comumente realizados, incluindo a cirurgia de vesícula biliar.4,5 Quando realizada em um Centro de Excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica, a cirurgia bariátrica e metabólica tem uma taxa de mortalidade de 0,13%.4 Isso significa que, de 10.000 pessoas que realizam esse tipo de cirurgia, 9.987 pessoas em média sobreviverão à cirurgia e 13 não.4 A remoção da vesícula biliar tem uma taxa de mortalidade de 0,4%.5 Isso significa que, de 10.000 pessoas que têm a vesícula biliar removida, 9,960 pessoas em média sobreviverão à cirurgia e 40 não.5

Todas as cirurgias apresentam riscos. Esses riscos variam, dependendo do peso, idade e histórico médico. Os pacientes devem discutir os riscos com o médico e o cirurgião bariátrico e metabólico.​

Referências

1. Baltasar A, Bou R, Bengochea M, et al. Duodenal switch: an effective therapy for morbid obesity—intermediate results. Obes Surg. 2001;11:54–58.​
2. Nelson, Daniel W. Blair, Kelly S. Martin, Matthew J. Analysis of obesity-related outcomes and bariatric failure rates with the duodenal switch vs gastric bypass for morbid obesity. Archives of Surgery. 147(9):847-54, 2012 Sep.​
3. Buchwald H, Avidor Y, Braunwald E, et al. Bariatric surgery. A systematic review and meta-analysis. JAMA. 2004;292(14):1724-1737.​
4. DeMaria EJ, Pate V, Warthen M, et al. Baseline data from American Society for Metabolic and Bariatric Surgery-designated bariatric surgery centers of excellence using the bariatric outcomes longitudinal database. Surg Obes Relat Dis. 2010;6(4):347-355.​
5. Csikesz N, et al. Current status of surgical management of acute cholecystitis in the United States. World J Surg. 2008 Oct; 32(10):2230-6.​